24 de jun de 2010

Plages de Debarquement (Praias do Desembarque), Normandia

 


De Ouistreham ao norte de Caen (Sword Beach) até a Península de Cotentin (Utah Beach) estão as famosas praias onde os aliados desembarcaram.

Estes lugares mantiveram as cicatrizes da história, apesar do esplendor das extensões de areia branca: crateras de bombas, blocos de concreto armado, abrigos subterrâneos... E, acima de tudo, os cemitérios onde repousam milhares de soldados que perderam a vida para libertar a Europa.

6 de junho de 1944, foi o Dia D, conhecido também como "o mais longo dos dias", essa data traçou uma nova trajetória na a Segunda Guerra Mundial e mudou os rumos da humanidade.


Na maior operação militar da História, centenas de milhares de americanos, ingleses, franceses, canadenses e australianos atravessaram o Canal da Mancha em mais de 8.000 embarcações e aeronaves e chegaram às praias da Normandia (conhecidas como Plages de Debarquement) para iniciar a libertação da Europa dominada por Hitler.

Desde 1940 a França estava ocupada pelos nazistas e a invasão da Normandia visava à liberação do território francês do domínio alemão, o que foi alcançado definitivamente em 25 de agosto daquele ano.

Foi a maior invasão marítima da história. Os exércitos, divididos com suas tarefas, tinham como objetivo as praias de codinome Omaha, Utah, para os americanos; e Juno, Gold, Sword para os anglo-canadenses.

Hoje, cada uma dessas praias tem seu museu próprio, com tudo o que se possa imaginar de mais autêntico usado na batalha. Armas, uniformes, mapas, rádios, fotos e cartas pessoais, maquetes, pára-quedas, veículos....

Vestígios das casamatas usadas pelos alemães
A invasão da Normandia começou com a chegada de pára-quedistas na madrugada do dia 6, maciços bombardeios aéreos e navais, bem como um assalto anfíbio pela manhã.

Do mar, 1240 navios de guerra abriram as baterias contra as linhas de defesa. Do céu caíam toneladas de bombas dos dez mil aviões que participavam da operação.

A Alemanha procurou defender-se através da chamada muralha do Atlântico, uma fortaleza de milhares de quilômetros de baterias de grosso calibre, casamatas de concreto armado, metralhadoras, minas, e todo tipo de armamento.

Vierville sur Mer - defesas na praia

Bayeux: primeira cidade a ser libertada pelas tropas aliadas após o desembarque, concentra muitas histórias sobre a segunda grande guerra. Lá, encontram-se algumas praias do desembarque da batalha na Normandia e museus, como o Museu Memorial da Batalha da Normandia, o Museu do Desembarque, Arromanches 360º, o Museu do dia D, e outros.

A cidade também é conhecida pela sua tapeçaria que relata, sob a forma de bordado, a conquista da Inglaterra por Guilherme o Conquistador. Essa tapeçaria está exposta no Centro "Guillaume-le-Conquérant" .


Arromanches 



Essa cidade também teve caráter estratégico na guerra: serviu como porto artificial de desembarque de mantimentos e equipamentos para os soldados ingleses. Os vestígios do porto improvisado ainda estão na área, os mesmos que deram fama à cidade. Hoje, é um local turístico, com museus e locais de interesse histórico.

Arromanches 360
Um cinema circular com 9 telas, mistura imagens filmadas em 1944 e imagens atuais. Adultos: 4,30 euros.  www.arromanches360.com

Musée du Débarquement
Place du 6 Juin. Adultos: 7 euros.  Fechado em janeiro. 








Caen 
Depois de totalmente destruída pelos bombardeios, esta cidade agora se mostra linda, com um belíssimo castelo e um grande museu memorial.










Ponte Pegasus



Em 1944, essa ponte adquiriu uma importância estratégica na retomada dos territórios franceses pelas tropas aliadas. O nome Pegasus foi dado em homenagem à operação aérea que foi bem sucedida em seu objetivo de conquista. A história pode ser acompanhada no Airborne Museum Pegasus Bridge, que fica aberto de fevereiro a novembro. 



Praia de Omaha



É conhecida pelos americanos como "Bloody Omaha", por causa das 2.200 baixas nas tropas americanas no desembarque do dia D. Hoje, pode-se visitar o Museu da Praia de Omaha, que explica todos os acontecimentos da guerra por lá, o palco mais sangrento da Normandia. 







Cemitério Americano


É um memorial dedicado aos americanos que morreram na Segunda Guerra Mundial. Com aproximadamente 80 hectares, esse cemitério conta com 9.387 corpos de homens e mulheres que serviram os Estados Unidos na guerra.

Milhares de cruzes alinhadas em campos muito bem tratados, verdes e lindos, lembram-nos que os verdadeiros heróis daquela guerra, descansam ali. O mais triste é ver a idade que eles tinham. Fica no vilarejo de Collevile-sur-Mer, em frente ao mar.



Cemitério Alemão


Diferentemente dos cemitérios britânico e americano, o cemitério alemão, no vilarejo de La Cambe, tem um aspecto mais sombrio, com pequenas cruzes de bronze no chão e algumas flores, sendo difícil para quem o visita não relacionar os fatos à triste memória das atrocidades praticadas especialmente pelas forças SS, fiéis, acima de tudo, a seu Führer




St Mère Église


No dia 06 de junho, por volta de 1 hora da manhã, 15.000 paraquedistas são lançados sobre esta pequena cidade. Um deles, John Steele, ficou pendurado no campanário da igreja durante toda a noite, com um tiro na perna, assistindo a batalha embaixo. Ele ficou surdo por causa do barulho do sino durante toda a noite. 



Hoje, tem um boneco paraquedista pendurado na torre da igreja para lembrar esse fato.


La Pointe du Hoc




Entre Omaha Beach e Utah Beach, foi palco de uma das operações de desembarque do dia 6 de junho de 1944. Suas falésias de 25 a 30 metros de altura foram escaladas com cordas pelo soldados do segundo batalhão de Rangers, no dia do desembarque.  Eles conseguiram tomar conta do local ao preço de grandes perdas.
Pointe du Hoc

Ainda visíveis os buracos feitos pelas bombas

Museu em Gold Beach



Veja também:








Nenhum comentário:

Postar um comentário